24 de Junho Dia Internacional de Quedas

Exercício de Fisioterapia e adaptação ambiental de Terapia Ocupacional evitam quedas entre idosos

Fisioterapeuta Francielle Fialkoski

Exercício de Fisioterapia e adaptação ambiental de Terapia Ocupacional evitam quedas entre idosos

 

 
Em alusão ao Dia Internacional de Quedas, celebrado mundialmente no dia 24 de junho e incorporado ao Calendário do Ministério da Saúde (MS) para alertar especialmente idosos sobre o risco de quedas, a Fisioterapia e a Terapia Ocupacional, regulamentadas pelo Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito-9) - alertam para a importância da data criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e advertem que os cuidados com idosos devem ser redobrados, quando o assunto for tombo.

 

Dados da OMS informam que no Brasil, pelo menos 30% dos idosos são vítimas de quedas ao ano. E o pior disso tudo, segundo a fisioterapeuta Drª Francielle Flalkoski é que a recuperação destas pessoas é mais lenta, devido às mudanças fisiológicas em ossos e articulações que estão envelhecidas. Destes que se acidental, a OMS informa que 50% ficam com a mobilidade reduzida e de 5% a 10% sofrem alguma fratura e registra um milhão de fraturas de fêmur de idosos no mundo, sendo 600 mil só no Brasil. Destas, 90% são causadas por quedas. Estima-se que após um ano, 20% dos idosos que caíram, estarão hospitalizados, institucionalizados ou morrerão.

 

Francielle informa que infelizmente esses eventos são negligenciados pela família, por profissionais da saúde, e até mesmo pelos próprios idosos. São atribuídos erroneamente como fatores naturais do processo de envelhecimento, e pouco valor é dado às ações preventivas e reabilitadoras. “Mas ninguém cai de maduro! A queda é um marcador de fragilidade, pode indicar doença aguda e é uma questão social ligada ao envelhecimento, necessitando de conscientização das pessoas e intervenção”, explica.

 

Tendo em vista que as profissões de Fisioterapia e de Terapia Ocupacional estão à frente das demais profissões, quando o assunto é qualidade de vida, longevidade, independência e alternativas que visem amenizar as consequências do envelhecimento, a profissional diz que muitas destas quedas podem ser evitadas com intervenção clínica, exercícios específicos, orientações ambientais e uso correto de dispositivos auxiliar de marcha, quando indicado.

 

Crefito-9: Quais são os comportamentos de riscos mais comuns para a queda entre idosos?

 

Fisioterapeuta Francielle Flalkoski - subir em cadeiras para alcançar objetos, usar calçados mal ajustados e andar sobre piso molhado.  E os idosos mais ativos estão mais expostos sofrer quedas, pois saem com frequência, andam de ônibus, sobem e descem escadas, e estão sempre envolvidos em alguma tarefa.

 

Crefito-9: Ao identificar alguém com esses comportamentos, que atitude tomar?

 

Fisioterapeuta Francielle Flalkoski - se você já identificou alguém com alguns desses fatores, procure um serviço qualificado para uma avaliação mais específica. Além do levantamento desses fatores de risco, existem testes de mobilidade e equilíbrio capazes de identificar possíveis caidores.

 

Crefito-9: Quais são os fatores mais importantes e determinantes para a ocorrência de quedas?

 

Fisioterapeuta Francielle Flalkoski - apesar de multifatorial, as características intrínsecas e as mudanças do corpo são os fatores mais importantes e determinantes para a ocorrência de quedas. As pesquisas mostram que o que tem mais impacto na redução da frequência e do risco de quedas é um programa de exercícios individualizado de múltiplos componentes, com ênfase em exercícios que desafiem o equilíbrio. A caminhada, aula aeróbica ou musculação, sozinhas, não são capazes de prevenir quedas. Devem ser estimuladas não só a força e resistência muscular, mas também os ajustes posturais, a percepção do espaço por meio dos sistemas visual, vestibular (labirinto) e somato-sensorial (sensibilidade principalmente dos pés), e o estado cognitivo (especialmente da função executiva, no seu componente atenção e dupla tarefa).

 

Crefito9: quais os caminhos para desenvolver programas ou oficinas de prevenção de quedas?

 

Fisioterapeuta Francielle Flalkoski - devem ser conduzidos por profissionais bem treinados e qualificados na área do envelhecimento, trabalhando com exercícios preventivos e informações diversas. Também é importante uma avaliação especializada no ambiente domiciliar, realizando algumas modificações e adaptações que auxiliem na mobilidade e estimulem a informação sensorial do idoso.

 

Crefito-9: além de exercícios preventivos e avaliação especializada no ambiente doméstico, o que mais pode ser feito para evitar quedas nesta faixa etária?

 

Fisioterapeuta Francielle Flalkoski - como complemento, é importante que o idoso mantenha controle de suas condições clínicas e ajuste a medicação em uso (no caso de prescrição), preferencialmente acompanhado por um médico geriatra. Tais intervenções contribuem para melhorar a sua saúde como um todo, bem como sua qualidade de vida, tornando sua prática especialmente importante para a faixa etária mais idosa.
 
 
FRANCIELLE FIALKOSKI Fisioterapia | CREFITO 9 / 130029-F | CUIABÁ

Voltar
Portal Transparência
Boletim Informativo Cartilha de Controle Social Estágio Não Obrigatório De carona com o fiscal

AGENDA DE EVENTOS

MAIS EVENTOS >

O Crefito-9 é mero divulgador do conteúdo publicado aqui: não nos restando responsabilidade, compromisso ou parceria com as publicações.

ENQUETE

Como garantir valorização e dignidade profissional?

Mudanças da legislação

União da categoria

Evitar privatização do SUS

CAMPANHAS E SERVIÇOS DO COFFITO

Transparência Fale Conosco Ouvidoria
Copyright © 2012 CREFITO-9 - CONSELHO REGIONAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL DA 9ª REGIÃO